libertadores1995

Campeão da Libertadores 1995



– 14 jogos
– 8 vitórias
– 4 empates
– 2 derrotas
– 29 gols feitos
– 14 gols tomados
– Artilheiro: Jardel – 12 gols


Elenco:
1- Danrlei
2- Arce
3- Luciano

4-Adilson
5- Dinho

6- Roger
7- Paulo Nunes
8- Goiano

9- Magno
10- Nildo
11- Carlos Miguel

12- Murilo
13- Vagner Mancini
14- Wagner

15- Alexandre
16- Jardel
17- André Vieira
18- Carlos Alberto

19- Arílson
20- Antônio Carlos

21- Dega
22- Jé
23- Scheidt

24- Rivarola
25- Jaques


DIRETORIA E COMISSÃO TÉCNICA
Presidente
: Fábio André Koff
Vice de futebol: Luiz Carlos P. Silveira Martins
Diretor: Alceu César Pacheco
Supervisor: Antônio Carlos Verardi
Médico: Paulo Rabaldo
Preparador físico: Paulo Paixão
Técnico: Luiz Felipe Scolari


Advertisements

Festa em Porto Alegre


Entre 300 mil e 500 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, saíram às ruas de Porto Alegre para assistir ao desfile dos jogadores do Grêmio em carro aberto.
O time desfilou com o troféu da Taça Libertadores da América.
A delegação do Grêmio desembarcou às 12h30 em Porto Alegre. Quase uma hora depois, os jogadores iniciaram, em um caminhão de bombeiros, o percurso de cerca de 15 quilômetros até o estádio Olímpico, onde chegaram às 16h.
Cerca de 25 mil torcedores estavam no estádio. Muitos invadiram o gramado quando os jogadores chegaram. A euforia dos torcedores assustou os atletas, que correram para o vestiário.
Um show foi cancelado porque os instrumentos musicais foram quebrados por torcedores. Não houve registro de feridos.
Ao descer do avião, que tinha a inscrição “Rumo a Tokyo”, a delegação foi recepcionada pelo prefeito de Porto Alegre, Tarso Genro, torcedor do Internacional, o principal rival do Grêmio.
A equipe foi cumprimentada no Palácio Piratini pelo governador Antônio Britto, torcedor do Grêmio.
(Carlos Alberto de Souza- Folha de São Paulo)


Festa no campo



Final – Atlético Nacional 1 x 1 Grêmio

 
ATLÉTICO NACIONAL: Higuita; Santa (Herrera), Marulanda, Foronda e Mosquera (Pabón); Serna, Gutierrez, Arango (Matamba) e Alexis Garcia; Angel e Aristizábal
Técnico: Juan José Peláez

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Adílson e Roger; Dinho, Goiano, Arílson (Luciano), Carlos Miguel; Paulo Nunes (Alexandre Xoxó) e Jardel (Nildo)
Técnico: Luiz Felipe Scolari
Final – 2º jogo – 30 de agosto de 1995
Local: Atanásio Girardot (Medellín, Colômbia)
Juiz: Salvatore Imperatore (Chile)
Gols: Aristizabal aos 12 do 1ºtempo e Dinho(Pênalti) aos 41 do 2ºtempo
Cartão Amarelo: Danrlei, Arce, Rivarola, Dinho, Paulo Nunes, Alexandre, Foronda, Serna, Gutierrez.
Cartão Vermelho: Goiano
LA LIBERTADORES TIENE UN DUEÑO: GREMIO 
Publicado el 09/Enero/1995 | 00:00 Medellín. 01.09.95. 
Merecidamente, el equipo brasileño Gremio conquistó el miércoles la Copa Libertadores de Fútbol de América 1995, al empatar con el colombiano Nacional 1-1, tras vencerlo en el partido de ida por 3-1 en Porto Alegre hace ocho días. Nacional, que necesitaba ganar como mínimo por dos goles para forzar la rifa de los remates desde los doce pasos, bregó y bregó, pero falló en la puntada final, frente a un rival que se abroqueló sobre su marco y despejó a cualquier lado en su afán de preservar el resultado. Sin embargo, el tempranero gol de Nacional a los 13 minutos, conseguido por Aristizábal mediante un “globito”, obligó a Gremio a intentar la igualdad con Nunes y Adilson por la derecha, buscando con sus centros al espigado Jardel, quien pese a la severa custodia, creó varias jugadas de peligro ante la valla de Higuita. Hubo muchos roces y siete hombres de Gremio recibieron amonestaciones, lo mismo que tres de Nacional, siendo al final expulsado el brasileño Goiano. El empate de Gremio ocurrió a los 86 minutos, en una dudosa acción de Herrera sobre el recién ingresado Alexandre, quien aparentemente se llevó el balón con la mano y cayó al piso dentro del área. El consiguiente penal fue bien cobrado por Dinho engañando a Higuita quien se arrojó al lado contrario. Los 52.000 espectadores que desde muy temprano abarrotaron el estadio Atanasio Girardot, no se mostraron desencantados por el desenlace, aplaudiendo inclusive a Gremio al dar la vuelta olímpica, siendo la opinión general que Nacional encontró un oponente de jerarquía que logró hacer su negocio y alzarse con la Copa, segunda después de la de 1983. Los comentaristas y aficionados coincidieron en afirmar que Nacional se entregó a fondo, sobre todo en el primer período, pero que tuvo al frente a un adversario recio, bien plantado atrás y con oficio, elogiando eso si la llegada del conjunto colombiano a la final del torneo continental. Además, hicieron notar que el equipo actuó con muchos elementos jóvenes y carentes de experiencia internacional, ya que sólo actuaron cuatro sobrevivientes del elenco que en 1989 alcanzó la Copa Libertadores: Higuita, García, Arango, y en los minutos postreros Herrera, quien reemplazó al lesionado Santa. Al sonar el pitazo final, los jugadores, cuerpo técnico y periodistas brasileños se confundieron en abrazos, lloraron, se besaron y agarraron puñados de hierba como recuerdo. Paulo Nunes parecía loco, saltando y gritando con el torso desnudo, mientras sus compañeros, más mesurados, saludaban una y otra vez a las graderías, de intachable comportamiento. “Somos campeones, somos campeones”, exclamaban Nunes y Jardel exultantes, coreados por sus seguidores y camaradas. (3B) (Diario Hoy

Final – Grêmio 3 x 1 Atlético Nacional -Colômbia

Final – 1º jogo – 23 de agosto de 1995

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Adílson e Roger; Dinho, Goiano, Arílson (Alexandre) e Carlos Miguel (Nildo); Paulo Nunes e Jardel.
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO NACIONAL: Higuita; Santa, Marulanda, Foronda e Mosquera; Serna, Gutierrez, Pabón (Matamba) e Alexis Garcia; Angel e Arango.
Técnico: Juan José Peláez
Grêmio 3 x 1 Atlético Nacional

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Adílson e Roger; Dinho, Goiano, Arílson (Alexandre) e Carlos Miguel (Nildo); Paulo Nunes e Jardel.
Técnico: Luiz Felipe Scolari

ATLÉTICO NACIONAL: Higuita; Santa, Marulanda, Foronda e Mosquera; Serna, Gutierrez, Pabón (Matamba) e Alexis Garcia; Angel e Arango.
Técnico: Juan José Peláez
Libertadores 1995 – Final – Jogo de ida

Data: 23 de agosto de 1995, quarta-feira, 21h40min

Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre-RS

Público: 60.797 (54.257 pagantes)
Renda: R$ 533.680,00
Juiz: Alfredo Rodas (FIFA- Equador)
Auxiliares: Roger Zambrano e Jorge Caballos (FIFA-Equador)

Cartão Amarelo: Adílson, Angel, Gutierrez e Aléxis Garcia
Gols: Marulanda (Contra) aos 36 e Jardel aos 43 do 1ºtempo; Paulo Nunes aos 10 e Angel aos 27 do 2º tempo.

Semifinal – Gremio 2 x 0 Emelec

Semifinais – 2º jogo – 16 de agosto de 1995

O Grêmio marcou seu primeiro gol aos 30min, com Paulo Nunes. Ele tabelou com Jardel e chutou colocado, no ângulo esquerdo do goleiro Espinosa.
O Emelec se perdeu após a expulsão de Rehermann, que agrediu o lateral-esquerdo Roger.
O Grêmio aproveitou para ampliar o placar, com Jardel, aos 41min. Ele recebeu passe e tocou na saída do goleiro Espinosa.
Foi o 11º gol do atacante na Taça Libertadores. Ele é o artilheiro da competição.
No segundo tempo, o Grêmio perdeu diversas chances de marcar. O Emelec não ameaçava, nem em esporádicos contra-ataques.
Com a vitória garantida, alguns jogadores gremistas procuraram se poupar, evitando as divididas mais duras com os equatorianos.
Mesmo assim, o meia Carlos Miguel e o lateral-esquerdo Roger se machucaram e tiveram que ser substituídos. (Folha de São Paulo)

GREMIO ELIMINA A EMELEC Publicado el 17/Agosto/1995 | 00:00 Porto Alegre, Brasil. 17.08.95.

El Gremio de Porto Alegre calificó a la final de la Copa América 95, al derrotar por 2-0 al ecuatoriano Emelec, en el partido de vuelta de la semifinal, disputada el miércoles por la noche en esta ciudad. El partido de ida, disputado el pasado 9 de agosto, acabó empatado sin goles. Esta será la tercera vez que Gremio (campeón de 1983) califica para la final de la competición mayor del balompié sudamericano. Gremio no encontró muchas dificultades para derrotar al Emelec, aunque su presentación haya sido pésima, sin ningún conjunto, sobre todo, en la segunda etapa del partido. Gremio empezó el partido dando la impresión que aplastaría al Emelec, que se preocupó apenas en defenderse. Mantuvo un único hombre, Eduardo Hurtado, en el ataque. Reforzó su mediocampo y buscó sorprender el sistema defensivo gremista con largos lanzamientos para Hurtado, que aislado entre cuatro defensas, nada lograba. Además, poco después de los 30 minutos, el Emelec perdió uno de sus hombres, Rehermann, expulsado por juego violento. Una oportunidad más para el Gremio de ampliar su ventaja en el marcador. No obstante, le faltó coordinación entre su medio campo y su línea ofensiva para conseguir esta ampliación. Si el primer gol lo anotó a los 30 minutos, el segundo sólo lo marcó diez minutos después. No supo aprovecharse de una segunda expulsión del Emelec, que perdió a Verduga, también por juego violento. Con apenas nueve hombres, el Emelec no dejó que el Gremio lo aplastase. Espinoza hizo grandes defensas y Capurro fue muy valiente, que defendió, atacó y organizó los muy pocos ataques de su equipo. (Diario Hoy)

GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Adílson e Roger (V.Mancini); Dinho (Luciano), Goiano, Arílson e Carlos Miguel (Alexandre), Paulo Nunes e Jardel.
Técnico: Luiz Felipe Scolari
 

EMELEC: Espinosa, Quinteros (Gonzalez), Ivan Hurtado, Poroso (Smith) e Capurro; Tenório, Fajardo, Verduga, Rehermann e Edu Manga; Eduardo Hurtado.Técnico: Juan Ramon Silva


Local: Olímpico (Porto Alegre)
Juiz: Felix Benegas (Paraguai)
Público: 30743 (24.023 pagantes)
Renda: R$ 281.636,00
Gols: Paulo Nunes aos 29 e Jardel aos 40 do 1º tempo
Cartão Amarelo: Edu Manga, Eduardo Hurtado e Quinteros
Cartão Vermelho: Rehermann e Verduga

Semifinal – Atletico Nacional x River Plate

O Nacional perdeu para o River Plate no tempo normal por 1 a 0. Mas, como havia vencido pelo mesmo placar a primeira partida, levou a decisão para os pênaltis. O goleiro Higuita, então, garantiu a classificação ao defender o oitavo pênalti cobrado pelo time argentino. Antes, ele próprio fez o seu. A disputa terminou 8 a 7 para os colombianos. (Folha de São Paulo)

Semifinal – Emelec 0 x 0 Grêmio

“O Emelec dominou todo o primeiro tempo, utilizando as laterais para avançar e criar perigo ao gol gaúcho com cruzamentos para o atacante Eduardo Hurtado e o meia uruguaio Reherman. Os atacantes gremistas Paulo Nunes e Jardel, isolados, pouco produziram. Aos 9min, Reherman cabeceou próximo ao gol de Danrlei. Dois minutos depois, foi a vez de Verduga finalizar de cabeça para fora. Aos 25min, o lateral-esquerdo Capurro recebeu um lançamento na área e chutou cruzado para a defesa do gremista Danrlei. No minuto seguinte, Eduardo Hurtado fez jogada pessoal e chutou na saída do goleiro, mas a bola bateu na trave direita. No primeiro tempo, a única chance de gol da equipe brasileira aconteceu aos 43min, com o atacante Paulo Nunes, que, na grande área, chutou sobre o travessão.
No segundo tempo, o Grêmio voltou melhor, enquanto os equatorianos demonstraram nervosismo. Aos 4min, Paulo Nunes roubou a bola de Iván Hurtado, mas acabou desarmado. Um minuto depois, Arilson chutou cruzado, mas Jardel chegou atrasado para o arremate. Aos 16min, Goiano cobrou uma falta e Jardel cabeceou rente à trave direita de Espinoza. O equatoriano Eduardo Hurtado ameaçou o gol rival aos 35min e, aos 41min, completou com a mão para dentro do gol de Danrlei”. (Folha de São Paulo)

EMELEC: Espinosa; Coronel, Tenório, Ivan Hurtado (Muñoz) e Capurro; Verduga, Fajardo (Vidal Gonzalez), Rehermann e Edu Manga; Eduardo Hurtado e Fernandez.
Técnico: Juan Ramon Silva
GRÊMIO: Danrlei; Arce, Rivarola, Adílson e Roger; Dinho, Goiano, Vagner Mancini (Alexandre) e Arílson (Luciano); Paulo Nunes e Jardel
Técnico: Luiz Felipe Scolari


Semifinais – 1º jogo
Data: 10 de agosto de 1995

Local: Estádio Modelo, em Guaiaquil (EQU)
Horário: 12h hora local (14h Brasília)
Árbitro: Oscar Ruiz (COL)
Cartão Amarelo: Tenorio, Capurro, Verduga, Vidal Gonzalez (E). Danrlei, Roger, Dinho e Goiano (G).

Quartas de Final – Palmeiras 5 x 1 Grêmio

Quartas de final – 2° jogo – 2 de agosto de 1995

PALMEIRAS: Sérgio; Índio, Antônio Carlos, Cléber e Wagner; Amaral (Magrão), Mancuso, Cafu e Paulo Isidoro; Alex Alves (Maurílio) e Müller.
Técnico: Carlos Alberto Silva

GRÊMIO: Murilo; Arce, Rivarola, Scheidt e Roger; Adílson, Goiano, Arílson (André Vieira) e Carlos Miguel; Paulo Nunes (Vágner Mancini) e Jardel (Nildo)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

Quartas de final – jogo de volta
Data: 2 de agosto de 1995
Local: Parque Antártica (São Paulo)
Juiz: Antônio Pereira da Silva (Bra)
Público: 7.615
Renda: R$ 84.509,00
Cartão Amarelo: Antônio Carlos, Cléber, Wágner, Mancuso, Alex Alves, Adílson e Carlos Miguel.
Gols: Jardel aos 8, Cafu aos 29 e Amaral aos 39 minutos do 1°tempo; Paulo Isidoro aos 13, Mancuso (Penalti) aos 24e e Cafu aos 39 minutos do 2°tempo.



O Palmeiras goleou ontem o Grêmio por 5 a 1, mas foi eliminado da Taça Libertadores da América. Pelo Palmeiras, marcaram Cafu (dois), Amaral, Mancuso e Paulo Isidoro. No final, a torcida aplaudiu o time e gritou “é tricampeão”, título que o Palmeiras ganhará se superar o Corinthians na decisão do Paulista, domingo. O Grêmio se classificou porque havia vencido o jogo em Porto Alegre por 5 a 0. Vai jogar nas semifinais contra o Emelec, do Equador. O primeiro jogo, quarta-feira, será em Guayaquil.

Para tentar o “milagre” _expressão dos jogadores palmeirenses_, a diretoria do clube usou recursos especiais. Escalou oito gandulas para apressar a reposição de bola. Três ficaram atrás do gol do Grêmio, dois em cada lateral. Os gandulas, além disso, moviam-se acompanhando o lance.
O Palmeiras iniciou o jogo tentando intimidar os jogadores do Grêmio. Aos 10s, o volante Mancuso atingiu o gremista Adílson sem bola. O juiz não deu falta.A 1min, 2min, 6min, 6min30 e 7min, palmeirenses fizeram faltas.
Na cobrança da última infração, cometida por Antônio Carlos, quase na linha de fundo da defesa, o Grêmio marcou. O lateral Arce cobrou e o centroavante Jardel marcou com a barriga.
Com o gol, o Palmeiras passou a mostrar nervosismo. O técnico Carlos Alberto Silva berrava a todo momento, corrigindo a colocação dos jogadores.
O Palmeiras só chegou ao primeiro gol graças a um erro da arbitragem. Alex Alves tocou para Cafu, em impedimento. Ele disputou a bola com dois adversários e tocou na saída do goleiro Murilo _que jogou com uma contusão na mão esquerda.

O empate fez o Palmeiras crescer. Aos 39min, Alex Alves invadiu a área pela direita e tocou para Amaral. O volante cortou um adversário e fez 2 a 1.
No segundo tempo, Antônio Carlos e Mancuso continuaram a jog
ar com violência. Aos 6min, no meio-campo, o zagueiro chutou o meia Arílson, que teve de ser atendido fora de campo.
Aos 12min, Alex Alves invadiu a área e tocou para Paulo Isidoro no meio. Com um toque, ele desviou a bola de Murilo: 3 x 1.

Aos 22min, Antônio Carlos entrou na área e foi derrubado por Arce, perdeu o equilíbrio e caiu. O juiz marcou pênalti. Mancuso bateu e fez 4 x 1.
Aos 39min, Cafu foi lançado na direita e chutou no meio das pernas do goleiro Murilo. O Palmeiras atacou ainda mais, mas não fez o sexto gol. ( Marcelo Damato – Folha de São Paulo)



O técnico do Grêmio, Luiz Felipe, disse que a goleada sofrida para o Palmeiras revelou deficiências em sua equipe, que terão que ser corrigidas para a disputa das semifinais da Taça Libertadores, contra o Emelec, do Equador.
Embora o resultado tenha sido
bom para nós, propiciamos ao Palmeiras todas as condições para fazer gols“, analisou.
Ele disse que de maneira nenhuma esperava que o Grêmio tomasse tantos gols. “Acho que foi a maior goleada que sofremos nos últimos dois ou três anos“, afirmou.
Luiz Felipe admitiu que chegou a temer pela eliminação
do Grêmio. “É claro que fiquei com medo, porque, quando o Palmeiras fez o quinto gol, ainda tinha cinco minutos pela frente.”
“O Palmeiras teve força muito superior ao Grêmio, em todos os
sentidos”, reconheceu.
O técnico disse que não considera o Emelec
um adversário mais fácil que o Palmeiras. “O Palmeiras não chegou às semifinais da Libertadores e o Emelec, sim. Então o Emelec é melhor“, disse.
Luiz Felipe agradeceu a Cafu por ter desejado boa sorte ao Grêmio
na sequência da Taça Libertadores: “Eu também desejo que o Palmeiras tenha felicidade nas próximas competições que disputar.” (Mário Moreira – Folha de São Paulo)

O goleiro Danrlei, do Grêmio, foi suspenso ontem por uma partida pela Confederação Sul-Americana de Futebol e não poderá atuar hoje contra o Palmeiras.
O Grêmio não deverá ter um goleiro no banco de reservas.

Murilo, que entrará no lugar de Danrlei, estava se recuperando de uma fratura em um dedo da mão direita.
O terceiro goleiro inscrito para a Libertadores da América, Antônio Carlos, convalesce de uma cirurgia em Porto Alegre.
Se ele for levado hoje para São Paulo, será apenas para fazer número no banco.
Sílvio, o goleiro que tem atuado no Campeonato Gaúcho, não foi inscrito para a Libertadores.
O Grêmio não sabia da suspensão de Danrlei até as 16h45, hora do embarque para São Paulo.
O desconhecimento da suspensão fez com que o Danrlei viajasse.
Danrlei, um dos principais jogadores do Grêmio, foi suspenso por ter agredido, pelas costas, o meia Válber, do Palmeiras, na vitória por 5 a 0, jogo de ida em Porto Alegre, na semana passada. ( Carlos Alberto de Souza – Folha de São Paulo)

Vídeo Reportagem da Globo

Quartas de Final – Grêmio 5 x 0 Palmeiras

Quartas de final – 1° jogo – 26 de julho de 1995

GRÊMIO: Danrlei, Arce (Scheidt) , Rivarola, Adílson, Róger; Dinho, Goiano, Arílson e Carlos Miguel (Alexandre); Paulo Nunes e Jardel (Nildo).
Técnico: Luiz Felipe Scolari

PALMEIRAS: Sérgio; Cafú, Antônio Carlos, Cléber e Roberto Carlos; Amaral (Alex Alves), Mancuso, Flávio Conceição e Válber; Müller (Daniel Frasson) e Rivaldo
Técnico: Carlos Alberto Silva

Data: 26 de julho de 1995
Local: Estádio Olímpico (Porto Alegre)
Juiz: Claúdio Cerdeira (Brasil)
Público: 16.136 (12.547 pagantes)
Renda: R$ 186.685,00
Gols: Arce aos 41 e Arílson aos 51 do 1°tempo; Jardel aos 4, 21 e 38 do 2°tempo.
Cartão Amarelo: Amaral, Mancuso, Arílson, Daniel Frasson, Cléber, Arce e Carlos Migu
el.
Cartão Vermelho: Rivaldo, Válber e Dinho.

Preço e número de Ingressos:
Cadeira central: R$ 50,00 (8 mil, junto com cadeira central)
Cadeira lateral: R$ 40,00
Arquibancada: R$ 15,00 (21 mil)
Social: R$ 10,00 (18 mil)

Estudante Gremista: R$ 5,00 (3 mil)


Ingresso de Günther Gartner

Ingresso de Beto Lewin

 Ingresso de Thiago Floriano

1995 ingresso palmeiras.jpg

Ingresso de Pimpo Contursi




O Grêmio goleou o Palmeiras por 5 a 0, ontem à noite, em Porto Alegre. O Palmeiras precisa vencer o próximo jogo pela mesma diferença para decidir nos pênaltis uma vaga nas semifinais da Taça LIbertadores da América.
O primeiro tempo foi marcado por brigas dentro e fora do campo.
Houve três expulsões _Rivaldo e Válber, do Palmeiras, e Dinho. Na arquibancada, os palmeirenses brigaram com os gremistas.
A partida foi violenta desde o início. Aos 10min, Rivaldo levou cartão amarelo. Aos 17min,
acertou Arce e foi expulso.
O Grêmio continuou pressionando. Aos 19min, Carlos Miguel bateu escanteio, Jardel cabeceou, Paulo Nunes desviou, mas o goleiro Sérgio defendeu.
Vários jogadores do Palmeiras passaram a demonstrar nervosismo. O argenti
no Mancuso nem marcava nem armava. Os laterais Roberto Carlos e Cafu se omitiam.
Aos 26min, houve mais confusão. O volante Dinho agrediu o meia Válber. O palmeirense reagiu com um soco no nariz de Dinho.
O juiz Cerdeira não viu os dois lances, mas os bandeirinhas, sim.
Depois de quatro minutos de confusão, Válber e Dinho foram expulsos. Fora de campo, Dinho correu atrás de Válber, saltou e deu um chute em sua cabeça. O goleiro Danrlei também agrediu o palmeirense, pelas costas.
Por causa das brigas, a partida ficou parada por 14 minutos.

As expulsões desmontaram o Palmeiras. Um minuto após o reinício, o Grêmio marcou.
O lateral Arce apanhou um rebote na frente da área do Palmeiras, ajeitou a bola e chutou no canto direito do goleiro Sérgio.
Aos 51min, o meia Arílson arriscou um chute de longe. A bola bateu no pé de Mancuso, subiu e encobriu Sérgio: 2 a 0.
No segundo tempo, o técnico Carlos Alberto Silva tentou mudar o Palmeiras. Trocou o meia Amaral pelo atacante Alex Alves.

Mas o Grêmio definiu a vitória logo aos 4min. O lateral Roger cruzou, Jardel se antecipou a Cléber e chutou rasteiro: 3 a 0.
Aos 20min e 36min, de cabeça, Jardel marcou mais dois gols.
Os jogadores do Palmeiras reclamaram do árbitro Claudio Cerdeira. “Ele estava mal-intencionado”, afirmou Flávio Conceição. ( Marcelo Damato – Folha de São Paulo)
Briga no campo chega à torcida
Do enviado especial
e da Agência Folha, em Porto Alegre
A violência ocorrida em campo, entre os jogadores, no primeiro tempo do jogo, `contaminou’ a torcida no estádio do Grêmio.
Houve um início de conflito entre palmeirenses gremistas.
A Brigada Militar interveio e, segundo responsáveis pela segurança do estádio, ninguém ficou ferido ou foi detido.
Foram colocados à venda mais de 50 mil ingressos. A renda e público do jogo não foram divulgados. Os torcedores ocupavam um pouco mais da metade do estádio Olímpico.
O ingresso mais barato, para não-sócios do Grêmio, custava R$ 15,00. O mais caro, R$ 50, ou seja, meio salário mínimo.

O Grêmio pretende usar a renda da partida para comprar o passe do atacante Jardel, que marcou três gols e foi destaque no jogo de ontem. O atacante pertence ao Vasco, do Rio.
Para incentivar a presença no estádio, o Grêmio realizou várias promoções.

Foram dados brindes na compra de ingressos, entre eles, uma camiseta com a escrita “o leite vai azedar de novo”, ironizando a Parmalat , patrocinadora do Palmeiras, e a desclassificação do time pelo Grêmio na Copa do brasil.
Além disso, foram sorteados três carros no intervalo do jogo. (Humbero Saccomandi – Folha de São Paulo)
Laterais gaúchos viram pontas
Da Agência Folha, em Porto Alegre
O Grêmio aproveitou a vantagem de ter um jogador a mais desde os 17min do primeiro tempo para golear o Palmeiras.
A partir da expulsão de Rivaldo, o Grêmio avançou seu time para o campo do adversário a pedido do técnico Luis Felipe.
O jogo ficou ainda melhor com a segunda expulsão palmeirense, de Válber, embora, no mesmo lance, o time da casa tenha perdido o volante Dinho.
Os laterais Arce e Roger foram liberados para atacar. O volante Goiano cuidava da cobertura.
A estratégia do time logo surtiu efeito. Aos 27min, Arce, pela direita, fez 1 a 0, de fora da ár
ea.
O time gaúcho, com espaço para trocar passes, envolveu os jogadores do Palmeiras.

No lance do terceiro gol, Roger se transformou em ponta-esquerda, foi à linha de fundo e cruzou para Jardel finalizar.
No final da partida, nervoso, o palmeirense Mancuso retratou a irritação dos palmeirenses.
Ele se aproximou do juiz Claudio Cerdeira e, com os dedos, fez gesto insinuando que o árbitro tinha recebido dinheiro do Grêmio. (Folha de São Paulo)

O meia Rivaldo considerou injusta a expulsão contra o Grêmio. Ele disse que não entrou para pegar o zagueiro Rivarola, apesar de as imagens de TV indicarem o contrário.
(Humberto Saccomani – Folha de São Paulo)

Folha – Você concorda com sua expulsão?
Rivaldo – Não, não tive maldade no lance. Se tivesse, machucaria o Rivarola. Acho que merecia ser expulso quando tomei o primeiro amarelo, mas não depois.


O técnico Carlos Alberto Silva sugeriu que o juiz carioca Cláudio Vinicius Cerdeira prejudicou deliberadamente sua equipe, para compensar um pênalti que ele não marcou a favor do Grêmio em outra partida com o Palmeiras. Silva diz que não errou nas alterações.
(Humberto Saccomani – Folha de São Paulo)

Folha – O que
você achou da arbitragem?
Carlos Alberto Silva
– Maravilhosa. O Cerdeira tinha um dívida com o Grêmio. Veio e pagou a fatura. Agora está tudo certo.
Folha – A derrota se deveu só à arbitragem?
Silva – Não só. Deu tudo errado para o Palmeiras. As expulsões desequilibraram o time. Foi um desastre.
Folha – Não foi arriscado trocar o Amaral pelo Alex Alves? Não teria sido mais prudente tentar segurar a derrota por 2 a 0?
Silva – Não. Tínhamos que tentar o gol, jogar na frente. Não acho que nos expusemos mais do que já estávamos expostos. Além disso, o Amaral já tinha tomado um cartão amarelo.

Os números apurados pelo Datafolha na partida Grêmio x Palmeiras não dão margem a dúvida: o placar de 5 a 0 para os gremistas apenas refletiu o desempenho das equipes em campo.
O domínio do time gaúcho aparece, por exemplo, no número de finalizações a gol. O Grêmio finalizou o triplo de vezes que o Palmeiras: 18 a 6.
Nesse fundamento, o destaque foi o atacante gremista Jardel. Suas seis finalizações tiveram o rumo do gol, e três delas acabaram dentro da rede.
Do lado palmeirense, nem Muller nem Alex Alves, os dois atacantes que atuaram, conseguiram finalizar uma única vez a gol.
Com isso, o meia defensivo Mancuso acabou sendo o jogador do Palmeiras que
mais tentou o gol, com dois chutes certos.
Outro dado: os jogadores gremistas trocaram 399 passes, com 85% de acerto; os palmeirenses deram 229 passes, alcançando 75% de eficiência.
O símbolo do desempenho do Grêmio nesse fundamento foi o zagueiro Adílson, que teve aproveitamento de 100%, acertando os 44 passes que fez.
A falta de combate do Palmeiras no meio-campo se traduz nos índice
s de passes certos dos meias ofensivos do Grêmio: 80% para Arílson e 84% para Carlos Miguel.
O jogo registrou 56 faltas (30 cometidas pelo Grêmio e 26, pelo Palmeiras). No Campeonato Paulista de 95, ocorrem 50 infrações, em média, por partida.
O recordista de faltas foi o meio-campista Goiano, do time gaúcho, com seis.
O meia palmeirense Válber, expulso aos 30 minutos do primeiro tempo por brigar com o gremista Dinho, sofreu quatro faltas no período em que esteve em campo. (Folha de São Paulo)

 

A briga entre os jogadores Dinho, do Grêmio, e Válber, do Palmeiras, que interrompeu o jogo por 14 minutos, resultou em inquérito policial.
Ambos devem responder processo por desordem e lesões corporais. Eles registraram queixa, um contra o outro, na 2ª Delegacia de Polícia de Porto Alegre, no início da madrugada de ontem.
O delegado Ivair Mainard, responsável pelo inquérito, pretende enviá-lo à Justiça em 30 dias. Válber e Dinho, que haviam sido expulsos, brigaram também fora do gramado do estádio Olímpico.
O inquérito não levará em conta as primeiras agressões trocadas ainda dentro do gramado, fato que deverá constar da súmula do juiz da partida, Cláudio Cerderia.
Os dois jogadores não se submeteram a exames de lesões corporais no Instituto Médico Legal.
Cerdeira e os seus dois auxiliares não viram as primeiras agressões entre os atletas (Folha de São Paulo)
 

A briga entre Dinho e Válber e toda a confusão que se segue:

As expulsões que ocorreram no jogo:

Um lance quase esquecido, onde Mancuso acerta um soco em Carlos Miguel e o juiz nada marca:

Vídeo que contém os gols do jogo com a narração de Sílvio Luiz:

 

Reportagem do Globo Esporte – Roberto Thomé
http://video.globo.com/Portal/videos/cda/player/player.swf